domingo, julho 23, 2006

Equívocos da realidade

Vaso manchado por respingos
De meu amor platônico
Aquela mulher das paragens de Goiás
Sempre me faz lembrar
Dos equívocos da realidade:
Estar sem ser
Viver sem querer
Seguir para ficar
Movimentar para não mudar
Falar para não pensar
Escrever para não ler.
Paradoxos de minha poesia
Metáforas de amor escaldado
Pelo sol de tardes invernais.
Postar um comentário