sexta-feira, agosto 25, 2006

Amor-capacho

Reorganizei meus pelos
Lavei-os com amaciante de roupas
Só para ser um piso macio
Para tuas sandálias
E teu salto alto.
Que deixem marcas profundas
Quando sapatearem sobre mim
Aquele jazz de New Orleans
Ressurgida de sua katrina
Com a dor dos furacões enraivecidos
Chorando as perdas de seus violões
E cantos roucos das ruas.
Mas tua dança
Sobre o amor-capacho
Não será de raiva,
Nem de vingança,
Será de esperança.
Estando em baixo
(por baixo nunca estou)
Vejo as curvas dos tornozelos
Sob um fundo azul
Vejo as estrelas e a lua
Se noite for.


Postar um comentário