segunda-feira, agosto 21, 2006

Razão e felicidade


Não quero ter sempre razão
Gostaria de sempre ser feliz.
Tenho sucesso nas duas proposições:
quase nunca tenho razão
por desacertos de minha inteligência
ou acertos de minha ignorância
(reivindico meu sagrado direito à ignorância)
e sou feliz por opção.
E bem-humorado por obrigação
e respeito ao outro.


Postar um comentário