sábado, dezembro 23, 2006

Homens, Mulheres


Carros nas ruas largas
nas horas estreitas
nas casas de telhas dobradas
sob o sol a pino.
Meio dia.
Um dia e meio
ocupou-me essa viagem
aos olhares barrocos
esquinas ouropretanas
de Barro Preto a Ouro Preto
caminhos de asfalto
e pedras
e montanhas
e riachos velhos
e moças novas nas estradas
umbigos à mostra.

Os pretos de Ouro Preto
nem são pretos.
Os brancos de Ouro Branco
nem são brancos
os pardos de Rio Pardo
nem são pardos.
Os vermelhos de Ribeirão Vermelho
nem são vermelhos.
Os bonitos de Riberão Bonito
nem são bonitos.
Mas os homens (e as mulheres)
da Terra dos Homens (e das Mulheres)
são todos homens (e mulheres)
pretos, pretas
brancos, brancas
pardos, pardas
vermelhos, vermelhas
bonitos, bonitas
Homens, Mulheres.
Postar um comentário