segunda-feira, janeiro 29, 2007

nem poeta nem gênio

Mostrei poemas
a um artista plástico amigo meu
radicado em Tiradentes
anos 90:
- Publique-os
e serás um poeta conhecido.
Reescreva-os
e serás um poeta genial.
Nem coisa nem outra
nem leitores
nem afagos da academia.
Continuo escrevendo como um besta
seguindo velhos institntos:
lufada de inspiração
caderno abre sozinho
tinta de caneta se derrama em letras.
Postar um comentário