terça-feira, janeiro 09, 2007

Valências



Nem todas as carências
nem todas as ardências
nem tanto quais prudências
servir na mesa do café das aparências.

Mas... as urgências
sobrepujam minhas proeminências
rastejam entre minhas vivências
sacodem minhas premências
soletram minhas redundâncias.

Para onde envio, sem ganâncias,
minhas rudes malevolências?


Postar um comentário