segunda-feira, março 19, 2007

FENDAS: TODA MEDIDA É UMA FARSA

FENDAS NÚMERO I

Medidas em sistemas do universo:
Temperatura com termômetros,
Velocidades com velocímetros
Voltagens com voltímetros
Vazão de fluidos com hidrômetros
Fluxo sangüíneo com catéteres
Aneurismas com aparelhos de ressonância
Outras medidas com outras sondas.
Problemas inerentes: alteração do estado do sistema
Entre sondas e incertezas nas medidas
- realidade e modelização.
Realidade inatingível, reconhecimento impossível:
Interação entre sujeito (através da sonda)
E objeto (sistema do universo) altera ambos
Sujeito e objeto se reconstroem.
Saída estratégica: modelizar o visível e o mensurável
Teorizar sobre propriedades intrínsecas.
Toda medida usa uma sonda
(o olhar é uma sonda)
Em toda observação uma sonda penetra uma fenda
(o outro olhar é outra fenda
através da qual se quer conhecer a alma).
Toda medida é uma farsa.

FENDAS NÚMERO II

Difração da radiação:
Luzes policromáticas
Luzes monocromáticas
Enveredam-se em frestas e fendas
Naturais ou artificiais
Buscam um caminho além das paredes
Espalham-se atrás de barreiras e fendas
Iluminam onde se esperavam sombras
Monocromos ou policromos onde se imaginava negro.
Problemas inerentes: tamanho das fendas e das (s)ondas
Exigência de compatibilidades
– luzes e fendas, transformação.
Toda fenda é penetrável:
Mínima que seja
Há sempre uma radiação que a perpassa.
Toda barreira é violável:
Matéria é somatório de fendas
Organizadas como redes, filtráveis.
Toda medida é uma farsa.

FENDAS NÚMERO III

Radiação de corpo negro:
Negros são comedores de luzes
Esponjas de todas as radiações.
Brancas, pardas, morenas, amarelas,
Ou inusitadas como vermelhas e azuis
Não importa a cor da luz penetrante
O corpo negro a absorve
E só devolve um tanto de calor.
Problemas inerentes: o negro seria invisível
Como observa-lo se ele devora a luz da observação
Como conhecê-lo se ele come a lanterna da razão?
- Inexistência do corpo negro ideal, simulação.
Criamos um objeto, esférico,
Portador de uma fenda
Espelhado por dentro
O denominamos negro.
Absorvedor de luz pela fenda
Irradiador de calor pela superfície:
Toda cor é um simulacro
Toda medida é uma farsa.

FENDAS NÚMERO IV

Buracos negros do universo
Grandes fendas da cosmologia
Grandes mistérios da astronomia
Grandes bocas que tudo ingerem:
Objetos, poeiras cósmicas, luzes.
Problemas inerentes: ingestão sem digestão
Acréscimo de peso, decréscimo de volume
Densidade infinita.
- Ausência de informação, especulação.
Que fossa densa é esta?
Buraco mais negro que o corpo negro
Grande absorvedor de matéria
Provocador de alucinações
Mundos paralelos e outros elos.
Toda investida é permitida
Toda medida é uma farsa.

FENDAS NÚMERO V

Produção de Imagens de mil cores:
Lentes também são fendas
Por onde passam mil luzes
Microscópios e telescópios
Luzes próximas, luzes distantes
Máquinas de filmar e de fotografar
Movimentos e silêncios
Magias das imagens
Em vinte e quatro quadros por segundo:
Cinema também é arte através das fendas?
Problemas inerentes: tecnologias de produção
De areias a vidros, de vidros a lentes
Trapaceiam os olhares
Enganam emoções e pensamentos
- movimentos e fendas, imaginação.
De micro matérias a naves espaciais
De morros uivantes a rios bravos
Dos negros de berger
Às contraluzes de salgado
De poemas holográficos à vídeo arte
Todas imagens mil palavras
Todas as farsas são bem medidas
Todas as fendas têm suas sondas
Toda medida é no mínimo uma farsa.

SOBRE FENDAS E BARREIRAS

A fenda não é a questão:
A fenda é o caminho
a vereda
a descoberta
o passo possível de ser seguido
a trilha a ser percorrida
apesar de toda imprevisibilidade
de caminhos desconhecidos
a serem desbravados.
A questão é a fronteira,
a barreira a ser transposta
o obstáculo (in)transponível.
Superação da barreira
exige esforço
transpiração
inspiração
limite e criação,
modelização
transformação
simulação
especulação
imaginação.
Arte, ciência e tecnologia
se abraçam.

FENDAS, BARREIRAS E MEDIDAS

Função de artista:
criar universos paralelos
inusitados e instigantes
convites à imaginação e devaneios
com passagens indizíveis
através de fendas
invisíveis
a quem não tem olhos
de ver o indefinível.
Mas as fendas existem
na curvatura dos universos
nas ranhuras das peças
no caminho das luzes
nas veredas das frases
nas margens das músicas
entre formas suntuosas
nos cortes das superfícies ilimitadas
nos pontilhados negros dos desenhos
nas esculturas cravadas no espaço
no movimento imprevisível dos corpos.
Sem fendas não tem arte
nem artista.
Nas fendas das artes
penetra o insondável.
Sem fendas não tem ciência
nem cientista.
Nas fendas das ciências
penetra o visível
ampliando rupturas
nos hímens permeáveis
das barreiras
outrora intransponíveis.
Toda medida é uma farsa
Toda farsa é bem medida
Farsa em boa medida
Refaço com imaginação
Em todas as fendas do universo
Com palavras
Tintas
Pedras
E sonhos.

Postar um comentário