segunda-feira, setembro 24, 2007

Sangue e alegria


Sentimentos paradoxais:
oposição de simbolismos
em torno do mesmo fato -
fuga de meu pássaro preto
sangra e alegra meu coração.

Sangra
por flecha certeira
atirada em meu peito
sobre ferida há muito tempo aberta.
Para não manchar de vermelho
o assoalho de meu tapiri
coloquei uma tijelinha
a aparar o sangue
de minha veia aberta:
realimento-me antes que transborde.

Alegro-me
pela soltura das amarras
de meu pássaro engaiolado.
Agora ele voa em outros varadouros
sobrevoa outros seringais
pousa em outras moradas
das serras morenas
de lianes entrelaçadas.

Postar um comentário