sexta-feira, setembro 19, 2008

DE TERNO RISCADINHO


Vesti meu terno riscadinho:
- ele jamais me decepcionou.
Quando ajeito-o sobre a pela
coisas interessantes acontecem.
Morena exuberante
finge necessidade de informação
para aproximar-se.
Não ganho na loteria
mas a sorte sorri para mim
ou sorri de minha elegância
desajeitada.

Sempre fui amante de bota,
indigo blues e camisa polo,
mas o terno riscadinho
tira-me de minha rotina
e peço chá de flores azuis
ao cair da tarde
no lado sul da cidade,
ou ouço uma música alegre
que me lembra uma saudade
deixada no passado
no perdido da vida
esquecida na vila
desenhada além da montanha.

Separo-me do terno riscadinho
no início da madrugada,
deixo-o pendurado no cabideiro
onde possa vê-lo ao acordar.

Postar um comentário