quinta-feira, dezembro 29, 2011

CURTA 140

Todos os dias, 
às três da tarde,
eu choro.
Hora esta,
Ella canta na rádio.

(para Ella)

segunda-feira, dezembro 26, 2011

CURTA 139


Práticas de sedução movem pêndulos.
Não apenas um terno bonito
com flor branca na lapela.
Não só o perfume francês
regando palavras doces.
Mais que estilo: exigência;
manutenção de um padrão de vida;
metodologia de alargamento espiritual. 
Sobrevivência.

(Para Lu)

sexta-feira, dezembro 23, 2011

OBJETOS 32


Objetos para usufrutos natalinos:
havana bebida em colherinha
para reinventar o pai;
tender em fatias finas
para renascer a mãe;
mangas ubá em pedaços
para aguçar o paladar;
flores brancas na lapela
para sedução em permanência.

OBJETOS 31


Objetos para deslumbramentos gastronômicos:
bacalhau demolhado em água corrente
avaliado em mil maneiras;
vinho bordeaux grand cru ligeiramente envelhecido;
castanhas portuguesas aquecidas ao forno;
mulher afremosentada, de fino paladar,
para deliciamentos em dueto.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

VOLTEI A SER BEATNIK


Coisas bonitas dormem
enquanto o feio de dentro
tem olhos arregalados para o mundo.
Tanto prazer pelo obscuro?
Precisamos de ideias claras
para viver nosso tempo
nos lugares de sempre.
Trapezistas de singularidades
povoam planetas secundários.


Nem todo poeta escreve:
alguns engraxam sapatos
numa esquina de sorridentes.
Nem todo músico canta:
vários contorcem silêncios
em praças de vagabundos.
Nem todo bailarino dança:
muitos se fingem estátuas
em museus de esquecimentos.


Prisão de paredes em espelhos
esconde imagens de solidão
de andarilhos de planícies
com seus cheiros de flores do campo.
Por um momento
voltei a ser beatnik
que não carrega cartazes
nem faz pose para fotos.
Quero apenas sonhar a cores
quando o silêncio assusta
e os ruídos nos ensurdecem.

quarta-feira, dezembro 07, 2011

OBJETOS 30

Objetos úteis à auto-estima:
píton para me prender nas nuvens;
gabarito para medidas de auto-sustentabilidade;
alarme para encontro de emoções perdidas;
rivotril para fazer dormir
ratos e morcegos de meu telhado.





sábado, dezembro 03, 2011

OBJETOS 29


Objetos para noites de vigília:
café em tabletes contra sonolências;
tese raqueliana, companheira de aurora;
luminária foucaultiana para leituras dramáticas;
sensores auditivos de boa potência
para cantos de grilos, sussurros e barulhos de chuva.

quarta-feira, novembro 30, 2011

OBJETOS 28


Semi-objetos para uso em hospitais:
criptograma em sala de esperas;
solidariedade para distribuição simbólica;
causos para espantar sofrimentos
de seres embaraçados em macas.

CURTA 138

No universo de formigas
em estado de decolagem
prefiro veicular informações cifradas
como em tempos de beligerância.
Mpt + lt = as. 

terça-feira, novembro 29, 2011

OBJETOS 27



Objetos para carregar em mochilas:
anticorpos contra preguiça de rever amigos;
container como reserva técnica de afetos;
canivete para cortar tristezas temporárias;
bloco de anotações para sossegar loucuras
antes que elas anoiteçam.

quinta-feira, novembro 24, 2011

OBJETOS 26

Objetos para ir alhures:
almofadas ajustáveis a cadeiras;
viseiras para ver os invisíveis;
bilhetes de viagem para Pangeia
caso queiramos desaparecer no Tempo
por uns tempos.

quinta-feira, novembro 17, 2011

OBJETOS 25


Objetos para degustações:
néctar da noite para sonhos iluminados;
morangos silvestres para pequenas alucinações;
músicas sabor jazz para ensaios
de oscilações ritmadas;
vinhos taninos leves
para enriquecer o paladar saudavelmente.



quarta-feira, novembro 16, 2011

OBJETOS 24


Objetos contra mau humor generalizado:
plástico-bolha para tratar impaciências;
livraria para saneamento de neuroses;
flor de maracujá para chá acalentador;
pão torrado para mastigação alentadora;
saco de pancada e luva de boxe
para boas porradas curativas.

segunda-feira, novembro 14, 2011

OBJETOS 23


Objetos para noites úmidas:
guarda-chuvas caso necessário;
janelas para olhar a luz através de gotas;
radiola com vinil antigo;
velas para claridade emergencial
ou, caso queiram, manter um clima romântico.

sábado, novembro 12, 2011

CURTA 137



Palavras merecem ser bem ditas,
não consumidas ao acaso
com pouco caso.
Tens algo a dizer?
Diga em poucas palavras.
Evite atrocidades.

OBJETOS 22


Objetos para dias incoerentes:
martelo de desempenar pinos
de velhas máquinas de escrever; 
escovas para dentes desajuizados;
cinturão para securizar
pais e filhos desajustados;
cartas para tanta incoerência
que a vida me desorganiza.

quinta-feira, novembro 10, 2011

OBJETOS 21


Objetos para uso personalizado:
varanda florida para pássaros;
rede bordada para descanso na varanda;
fiapo de luz lumiando a rede;
sotaque adequado de comer pães de queijo.

terça-feira, novembro 08, 2011

CURTA 136



Tenho muitas horas de voo.
Posso abrir uma escola
para pássaros jovens.



sábado, novembro 05, 2011

CURTA 135


Restaurante bom é aquele simples.
Tem cozinha bem visível,
garçom com cara de gente
que sabe servir com duas colheres.
Tem uma cachacinha da roça
e cerveja bem gelada.
Serve um prato quase cheio
com uma pequena decoração.
E permite o prazer da conversa
durante a longa degustação.

(DES) CURTA 134



Transgredir minhas desordens,
ofuscar meus apagamentos nebulosos,
desrespeitar minhas incertezas habituais,
divagar por descaminhos sem rumo,
desaprumar meus pensamentos desalinhados.
Gostaria, pelo menos hoje, não ser diferente,
desajustado, deselegante, independente.

sexta-feira, novembro 04, 2011

OBJETOS 20


Objetos para desencabular surpresas:
laço de couro trançado
para aterrizar seres avoantes;
cachaça de boa qualidade
para embebedar o santo devotante;
ramo de arruda e boa rezadeira
para me tirar qualquer quebrante
daqueles olhares malassombrantes.

quinta-feira, novembro 03, 2011

OBJETOS 19


Objetos para declamar estranhamentos:
farofa de bunda de tanajura
para escaramuçar os amiúdes;
tecido colorido para engravatar colarinhos;
binóculos para desocultar de trás-os-montes
absurdas síncopes despressurizadas.

quarta-feira, novembro 02, 2011

OBJETOS 18


Objetos para manhãs ensolaradas:
sapatilhas para pedalar ao vento,
refletores de pensamentos iluminados,
latas para guardar biscoitos amanteigados
e alguns poemas eróticos 
escritos em papel de seda.

terça-feira, novembro 01, 2011

OBJETOS 17


Objetos para brindar a vida:
flores para lembrar meus mortos,
champagne para celebrar sucessos,
balanços para brincar como criança,
abraços para compartilhar amizades.


sexta-feira, outubro 28, 2011

CURTA 133


Imagens são como sombras:
assustam nossa consciência,
lembram-nos dos trajetos
nos quais nos perdemos, uns,
ou nos reencontramos, outros.
São guardiãs de nossa memória
e de nosso medo da morte.

OBJETOS 16


Objetos para vestir mulheres:
enredos tecidos nas cinturas,
batas decotadas com mangas bufantes,
flores no cabelos em caracóis,
batons avermelhados nas bocas,
marotices nos olhares alongados.

APRENDER A CHORAR



Chorar,
aprendizado importante
dos últimos anos.
Necessário amadurecer?
Espero que não.
Lágrimas: desçam à vontade.
Lavem meu rosto,
dele tirem a poeira dos anos.
Façam das rugas, regos.
Águas que não evaporam
chegam ao mar.
E deixam espaço aos risos.

quinta-feira, outubro 27, 2011

OBJETOS 15


Objetos para sustentar vícios:
imagens da mulher delícia,
caixotes de armazenar malícia,
bilhetes de viagem para Galícia
destemperar minha vida patrícia.



sexta-feira, outubro 21, 2011

CURTA 132

Oportunidades vem com ventos
- ob portus
Boas navegações
perseguem ventanias
abrem portas.
Cuidado, com pequenas ondas.

terça-feira, outubro 18, 2011

CURTA 131


Não ganhei o abraço,
não presentei-a com o livro.
A musa evaporou-se entre as fendas
de um portal iluminado.
Não olhou para trás,
não viu minha interrogação muda.

domingo, outubro 16, 2011

CURTA 130

Escrevo poemas curtos
por falta de tempo
embora sobre espaço
em minhas quatro dimensões.
Escrevo poemas sóbrios
por falta de luz
embora sempre ébrio 
em meus desiluminados portões.

OBJETOS 14


Objetos de sábado chuvoso:
pão de queijo de assanhar mineiros,
imagens de infâncias aveludadas,
segredos para se guardar em gavetas
das ilusões a serem (re)encontradas.

sexta-feira, outubro 14, 2011

OBJETOS 13



Objetos da contradição pessoal:
Sol de curar necessidades,
sombra para animar fantasias,
chuva de secar queimaduras
de solo, de pele, de amarguras.
Tudo ao mesmo tempo.

quinta-feira, outubro 13, 2011

OBJETOS 12


Objetos transcendentais às quintas:
sorriso verde para encarar montanhas,
megahertz encurtadores de distâncias,
barco para navegações transitórias
no universo das normalidades.

quarta-feira, outubro 12, 2011

OBJETOS 11


Objetos para dias feriados:
Chinelos descansando pés,
Ervas para chás calmantes,
Fotografias para salvar memórias
de deslembranças imaginativas atemporais.

quinta-feira, outubro 06, 2011

OBJETOS 10

Objetos para trabalho temporário:
alicate para cortar desafios,
serrote para serrar anomalias,
martelo para abominar discrepâncias,
luvas para proteger mãos
da imponderabilidade de pequenos infortúnios.

quarta-feira, outubro 05, 2011

OBJETOS 09 (para crianças sonhadoras)


Objetos lúdicos da semana:
bola de meia lembrando infância;
carrinho de rolimã descendo ladeira;
ônibus de lata sonhando estradas
nas quais um dia eu me perderia criança
procurando o adulto errante em mim.

terça-feira, outubro 04, 2011

OBJETOS 08



Objetos importantes para o dia acontecer:
água para regar minha sede,
luz do sol para secar minha ira,
marimbondo para me lembrar
que uma dor de nada
não é nada mesmo.

segunda-feira, outubro 03, 2011

CURTA 129


Em minha boca
palavras que não proferi;
Em minhas mãos
gestos que não gesticulei;
em meu cérebro
sonhos que não sonhei:
pior dos julgamentos.

quinta-feira, setembro 29, 2011

OBJETOS 07


Objetos descartáveis do dia:
chipe para desconversar,
retratos para desrevelar,
regras para desregular,
impropérios para desconsiderar.

quarta-feira, setembro 28, 2011

OBJETOS 06

Objetos a enfrentar
no corpo a corpo da semana:
broca do dentista para atacar a cárie,
ônibus coletivo para ir ao trampo,
prato de saladas para reduzir o volume,
beijo da morena para sacudir o coração.

terça-feira, setembro 27, 2011

OBJETOS 05

Necessários hoje:
óculos para natação
radiola para discos de vinil
café para não baixar a pressão
abraços para alimentar a emoção.

segunda-feira, setembro 26, 2011

OBJETOS 04

Coisas para começar a semana:
computador para trabalhar,
pimenta dedo-de-moça
para esquentar a vida,
camomila selvagem no chá
para apaziguar o espírito.

OBJETOS 03

Objetos insanos para usar no sábado:
escada para podar plantas,
torneira nova para lavar louças,
carvão para o churrasco,
gelo para esfriar a cabeça.

OBJETOS 02

Coisas inusitadas para comprar:
tampa do vaso sanitário,
parafusos de vários tamanhos,
plástico para cobrir a mesa,
chapéu para cobrir o pensamento.

domingo, setembro 25, 2011

CURTA 128

Tessituras culturais
nascem de mestiçagens:
movimentos entre centro e periferia
(onde?)
a serviço da imaginação.
Mestiçar é crescer no contraditório
(faço parte desse mosaico).

sexta-feira, setembro 23, 2011

CURTA 127

Sexta-feira é dia de poetar
e aforismar.
Profetizações da vadiagem
dos sábados.

CURTA 126

A poesia é mundana,
quase pagã.
Nasce na mentira das estórias.
Chega, no máximo, à meia verdade
do lumiar das lamparinas.

CURTA 125

A poesia existe
para nos fazer eternos:
enfrentar o mistério da morte
compreender o trágico da vida.
Registros de humanidades.

sexta-feira, setembro 16, 2011

CURTA 124

Gota corre sobre seio.
Gravidade a conduz
até uma cavidade
onde se esconde 
e se extasia
com beleza da trajetória.

terça-feira, setembro 06, 2011

CURTA 123

Amar é 
trocar imagens
por fusão de corpos e mentes.
Apropriar imagens do outro
(amar) é iconofagia pura.

CURTA 122

Navegar outros mares
é migrar imagens, vestes e cores.
Tecidos vermelhos
provocam guerras:
antes, pela técnica;
hoje, pelo desejo.

sexta-feira, setembro 02, 2011

CURTA 121



Meu corpo é mídia.
Roupas, adereço-me para comunicar.
Estampas, linguagens contra feitiços
daquele encantado olhar
de efeitos semi-ópticos. 

quinta-feira, agosto 25, 2011

CURTA 120

Imagem: presença da ausência.
Ella está em mim
sem estar aqui.
Navega meu corpo
sem aquele toque mágico.

CURTA 119

Nos deslocamentos coisas acontecem.
Imagens errantes viajam
deixam marcas
em lugares distantes.
Símbolos migrantes!

CURTA 118

Cultura das imagens
cultura dos corpos:
conexões intrínsecas
que viram moda.
Elegância é cultura. 

domingo, agosto 21, 2011

CURTA 117

Pequeno almoço de hoje:
pingado com meia-lua
e canoa com margarina.
Língua erudita 
não ajuda a compreender.

sábado, agosto 20, 2011

CURTA 116

Verdades são líquidas:
tentamos contê-las
elas escorrem entre os dedos.
Pior ainda, são voláteis.
Cheiros permanecem
em entranhas das narinas.

quarta-feira, agosto 17, 2011

CURTA 115

Nada de imprensa na colônia:
proibição do rei de Portugal.
Tomando ares de grandeza,
a periferia
contra o reino conspiraria.
- Desenvolvemos a arte da fala.

SUBMERGIR, EMERGIR

Mergulhar no escuro oceano
para aprender a boiar,
cavar ouro em minas
para o chão bem pisar,
caminhar nos subterrâneos
para na superfície não tropeçar,
conhecer os intestinos
para a epiderme amar.

quarta-feira, agosto 03, 2011

CURTA 109

Soltar palavras ao vento
Não é brincadeira!
Ventos levam palavras
Onde elas não querem ir.
Lugares ecoam sons
Impróprios a certos ouvidos.
Ouvidos ouvem o que querem.

terça-feira, agosto 02, 2011

CURTA 108

Olhos de Clara
brilham no escuro:
rastros de luz sobre trilhas 
lanternas de cristal puro.


Les yeux de Claire
brillent dans le noir:
traces de lumière sur les parcours,
lanternes de pure cristal.


(para Claire Pauli)

CURTA 107

Ella vestia um colar de pérolas
sobre a pele negra 
em contra-luz.
Somente um colar de pérolas.
Quanta dignidade e pudor!


Ella portait un coulier en perles
sur sa peau noire
contre-lumière.
Un coulier en perles, plus rien.
Quelle dignité, quelle pudicité!

domingo, julho 31, 2011

CURTA 106

Sax, piano e bateria
em jazz:
guia prático de arrepios,
emoções,
pequena lágrima.


Sax, piano et percurssion
toujours jazz:
guide pratique des frissons,
des émotions,
des petites larmes. 

CURTA 105

Som de jazz perturba
árvores impenetráveis.
Marrecos e seus filhotes
desrespeitam orquestra.
Menino tagarela especula
sons, silêncios e rituais.
Saudades d'Ella enfeita vidraças.

sexta-feira, julho 29, 2011

CURTA 104

Risco amazonense:
perder-se na mata.
Fração índia
sente apelo da floresta.
Esta chama 
clama e reclama.


Le risque d'Amazonie:
se perdre dans le bois.
Fraction indiènne
entend l'appel de la forêt.
Celle-là interppelle
clame et réclame.

terça-feira, julho 26, 2011

CURTA 103



Todos os dias, 
às três da tarde,
eu choro.
Hora esta,
Ella canta na rádio.

(para Ella)

segunda-feira, julho 25, 2011

OBJETOS 01



Cadeira.
Procuro tal que não me doa o dorso,
não me pressione o ciático
valorize minha elegância.
Que nela eu possa pensar 
e tomar decisões 
nem trágicas nem cômicas.
Minha cadeira existe:
preciso encontrá-la.

terça-feira, julho 19, 2011

CURTA 102



Pagu entrevista Freud
em navio para a China.
Desce do Transiberiano em Berlim
só para tomar um chope alemão.
E trouxe sementes de soja
da Manchúria para o Brasil.
A rebeldia nos deslocamentos
movimenta a história.

CURTA 101



Em dias de hoje
amanhãs são ontem.
Futuros são mais alentejanos
ou inexistentes.
Ditames da função exponencial.

12 LIÇÕES APRENDIDAS EM REVISTA DE BORDO



1. Receita de camarão ao creme catupiry.
        - Temperar com mostarda, gengibre, açafrão, limão e sal:
           Descansar quatro horas.
        - Ferventar, depois fritar na manteiga.
        - Temperar com tabasco e pimenta síria.
        -Finalmente cozinhar no caldo de camarão com catupiry.
2. Carros esportivos devem ter personalidade.
3. Diminuir custos é a chave da criatividade humana para ter vez no mercado.
4. Depois de reduzir, reutilizar e reciclar, a palavra inovadora é repensar.
5. Não complique, rapaz! Busque o simples!
6. O Brasil é o 12º país com pessoas mais felizes do mundo.
7. A cor da moda neste ano é a vermelha.
8. Marilyn Monroe faria 85 anos. Seria bela?
9. 90 a 10 continua sendo a conta evolutiva do mundo mesmo com as tecnologias de informação.
10. Transformações trazem grandes desafios.
11. O futuro fica antigo rapidamente.
12. Desaprendemos a trepar em árvores.

sábado, julho 16, 2011

quarta-feira, julho 13, 2011

CURTA 97

Igrejas e empresas de publicidade.
Semelhanças:
templos das verdades veiculadas
nos folhetins televisivos.
Diferenças:
relíquias dos cultos
de madeira e barro,
relíquias das propagandas
de plástico e brilho.

CURTA 96



Camisas de força cotidianas
impedem o doce delírio
dos pensamentos aleatórios
das desarticulações estruturais.
Labirintos, por onde voo de volta?

CURTA 95



Felicidade:
ficção do futuro
escrita hoje.

ENSAIOS SOBRE A FELICIDADE II



Felicidade pode ser
bumerangue de plástico
acrobacia em banco de elástico
canto da boca sorriso cáustico
frase de humor bombástico
rua passeio ciclístico.
Felicidade pode ser 
alegorias do místico
um fragmento estilístico.

ENSAIOS SOBRE A FELICIDADE I

Felicidade publicidade
compra-se em barganhas
no camelódromo da esquina:
bugigangas e tronhas.
Felicidade filosofia
é o nome da harmonia
entre o dentro e o fora.
Nos antagonismos, a alegria.

quinta-feira, julho 07, 2011

POEMA SEMICÔMICO 1



Deixei de ser remador:
ciático!
Virei rimador
lunático!


Enquanto falo de amor
ela joga baralho:
paciência, caralho!

quarta-feira, julho 06, 2011

CURTA 94



Adia hoje o dia
vaga o dia
vaga-bum-dia
dia vá-dia
dia vem-dia
a preço de ocasião.


(para ana elisa ribeiro)

sábado, julho 02, 2011

CURTA 93

Meus ancestrais tinham razão:
retratos capturam minha alma
raptam meu espírito.
No mínimo, desnudam-me.
Às vezes, não quero ser retratado
por puro pudor.

CURTA 92

A beleza é um paradoxo:
inexiste objetivamente
delineia pensamentos e ações.
Que beleza!

CURTA 91

Hoje, perseguido por cores:
azuis sobre rodas de espanto
amarelos de pipas avoantes
verdes claros estáticos em muros
brancos sorrisos em crianças.
Nem um negro em pensamento de tristeza.

CURTA 90



Negra escultural
mirava Emiliano em cores.
Que cena!
Mulher tão bela
desvinculada da tela!

sexta-feira, julho 01, 2011

CURTA 89



Para passar o tempo
brinque de olhar o tempo passar.
É lúdico e didático:
aprende-se que
com o Tempo não se brinca.

quarta-feira, junho 29, 2011

CURTA 88



Para criar?
Sair e entrar.
Sair de dentro de si
em transe com mundo entrar.

(para Moebius)