quinta-feira, março 31, 2011

CURTA 59



Mandei meu coração para o incinerador:
foi devolvido.
- Está muito amado.
Passe antes no reciclador.

domingo, março 27, 2011

CURTA 58



Linha mais curta entre dois pontos
pode não ser reta:
depende das variantes possíveis
aos transeuntes imaginativos.
Escolher caminhos, é um divertimento.

sexta-feira, março 25, 2011

CURTA 57

- Faça planos,
seja um gestor de sua vida - 
Por isso planejo, todos os dias,
ser pego de surpresa.

quinta-feira, março 24, 2011

CURTA 56



Cestos, vasos e velhos alcatruzes
decorações de interiores
jogam sombras sobre luzes.
Pessoas inexistem nos cenários
de algumas musas.

segunda-feira, março 21, 2011

CURTA 55

Verdades, plenas de símbolos
mentiras, de cenários.
Onde se estabelecem
nomeadas realidades?

CURTA 54



Escuridão só existe
para fazer sombras à luz.
Não é apenas uma escolha.
Vida sobrevive
pelos seus contrários.

VALE A PENA VIVER N 15



A garrafa da boa sobre a mesa
seja de Rio Piracicaba
Rio Pomba ou Salinas
escolhidas parcimoniosamente entre as melhores
nas finezas das degustações
apuradas em décadas de prática:
o etílico a serviço do prazer.
As imagens das durezas da vida
substituídas em tragos dominicais
pelo bom humor,
traço de sensibilidade
e sabedoria acumulada.
Após seis décadas de convivência
uma boa talagada simultânea
entre olhares de cumplicidade
e a concordância das boas escolhas
das marcas e dos trajetos
amaina tempestades
cura velhas divergências.
Quantos símbolos num gesto
de raro prazer compartilhado
que o tempo não dissimulará.
Vale a pena viver longamente
por um simples estalo na boca.

sexta-feira, março 18, 2011

CURTA 53



Ne dérangez pas les pierres.
Elles sont là 
pour montrer aux hommes
que la beauté n'est pas toujours verte. 


sábado, março 12, 2011

CURTA 52



Quando viajo
não carrego passado.
Passado de viajante
muda com itinerário
com ouvinte temporário.

sexta-feira, março 11, 2011

CURTA 51

Olhos veem coisas
pensam em outras
que significam outras.
Quando te vejo
reconheço o mundo.

quinta-feira, março 10, 2011

CURTA 50

Casa:
        paredes de barro
        telhado de palmas de buritizeiro.
Local:
        cerrado do Jalapão
        no meio de nada
        ou de quase tudo.
Detalhe:
        flores em vasos 
        na porta de entrada.

CURTA 49

O ambiente e o relógio:
quadro na parede
instrumento de medida
indicam pessoas
com certa responsabilidade
- a existência das coisas.

CURTA 48




Para ver o por-do-sol
precisa gostar do sol
curti-lo na pele
ter prazer em sua despedida.



 
(foto de P.C. Ventura)

quinta-feira, março 03, 2011

VALE A PENA VIVER N 14



A "submarino amarelo"
é a música que me persegue.
Eu a  assobio todos os dias
quando a solidão me acompanha
em caminhos reais ou imaginários.
Descarto-a, assim, solidão.
Tenho uma "submarino":
dentro dela viajo no fundo dos mares
e revivo histórias de seres das profundezas.
E ela é "amarelo",
não UMA COR: minha preferida
na pele das mulatas e negras mulheres.
Toda morena deveria vestir amarelo
e só tirá-la na hora do banho
ou para deslumbrar seu amado.
A "submarino amarelo"
é a música da minha vida.
Imortalizo seus autores
rapazes de Liverpool.
Vale a pena viver nela plenamente
em oceanos por onde navego.







CURTA 47



O tempo é um monstro
a corroer meus testículos.
Preciso tempo para trabalho
também para gozo e desperdício.
Caneta é minha espada contra o dragão.

CURTA 46



Faça uma boa ginástica:
Leia poesia.
Ela exercita músculos
que frequentemente não usa.

CURTA 45



De tanto olhar
meu lagarto-coleira de estimação
aprendi:
parar e observar
correr bem rápido
esconder entre pedras.

CURTA 44

Caminhos se abrem
com os pés na estrada.
Histórias se revelam
depois de serem contadas.

CURTA 43



Falar sempre a verdade:
que chatice!
Mentiras sempre são mais interessantes
pela carga de imaginação 
que levam consigo.
Mentiroso é quasi-poeta.

CURTA 42

Quando a dor
está insuportavelmente presente
sento-me e escrevo
sobre os momentos
de dor maravilhosamente ausente.

CURTA 41

Subi um degrau na vida.
Preciso, portanto, recomeçar.
Assustadoras incertezas.

VOCABULÁRIO MANAUARA



"Quem come jalapi
não sai mais daqui".
Tem lá na feira
da pa-nair.
Se viver na capital
bom ter um jirau,
ou uma maromba
se no interior for morar
para melhor pescar.
Para transitar pela cidade
requisite os serviços de um pirongueiro.
Querendo ver o tronco da samaumeira 
viaje de paraíso verde
a gaiola do Rio Negro.
Vale o mesmo para comer
bolinho de pirarucu
na ilha de Marapatá.
No caminho verá a canarana
a falsa cana
capim flutuante,
mas não verá
(apenas saberá)
da pedra de uatumã
que empresta cor negra ao rio.
Mesma do rio Cipó
nos espinhaços das gerais?
Através dos caminhos d'água
chegará ao parque do janauari
para o canto ouvir
do patola do igapó
nos galhos da miratinga
a árvore branca
ou da mirapiranga
de madeira escura.
Mas não seja banzeiro
nem coma jalapi
se quiser sair dali.

CURTA 40



A vida é um artefato
de uso limitado e temporário.
Viver é um artifício
de comunhão com naturezas.
Que razões para afastamento simbiótico?

CURTA 39

Que mulher é essa? 
Lê poesia e transpira
como se corresse de um susto!

(para Olga Valeska)