terça-feira, dezembro 24, 2013

SABEDORIAS CINEMATOGRÁFICAS 2


"A vaidade é meu pecado predileto",
disse o diabo (Al Pacino)
a seu advogado (Keanu Reeves)
em cena final de O Advogado do Diabo,
dirigido por Taylor Hackford.

sábado, dezembro 21, 2013

CURTA 225


No rio nada dura,
nem paz de canoeiro.
O avolumado das águas
tudo leva:
canoa, canoeiro e paz.
O remanso da margem
turbinado redemoinho vira.

RELEITURAS ROSEANAS 16


Sou "homem de família,
merecedor de silêncio..."
É em silêncio que se aprecia
as belezas dos sons
e a clareza das notas.
Em bocas fechadas,
certezas de convencimentos.
Em silêncio nos conhecemos,
desnecessidade de espelhos,
nos diplomamos na vida
para conduzir em travessias,
seja de rios caudalosos,
seja de veredas lacrimejantes.
Em silêncio farejamos mundos
e suas aleatórias armadilhas,
desfazemos nós de garganta,
secamos lágrimas escorrentes,
soltamos o primeiro sorriso,
até que ele se abre, escaldante,
naquele riso, agora sim,
em altos sustenidos.

CURTA 224


Flor é flor, mas despetala.
Alegria se desalegra
só de quando em vez.
Aquela, de sorriso solto,
sempre volta a se apoderar do rosto
em que se hospeda.


RELEITURAS ROSEANAS 15


"A gente se esquece - 
e as coisas lembram-se da gente".
A gente se duvida sempre
e a dúvida se azoa da gente.
A gente se amiúda no caráter
e o caráter se agiganta
no interior da estreiteza
no arrebento das valentias
enrugando sobrancelhas.
A gente se arrepia nas dores,
as dores de todas as marias
e de todos os josés:
as dores impermanecem
em almas não querentes.
A gente se esfacela em pedregulhos,
calcáreos quebradiços ou quartizitos,
nas enduranças das trajetórias,
nas sílicas batalhas diárias
entubando de pedras as vesículas.
Mas a gente se alegra
por um nadinha de nada: 
olhar de soslaio da amada, 
sorriso de clarices e patrícias,
água fresca na talha,
eletrocardiograma preciso na tela, 
poesia boa na panela.
Coisas borbulhantes de dentro
nunca se esquecem do jeito
que o amor se arrebenta no peito.

quinta-feira, dezembro 12, 2013

OBJETOS 52


Objetos para mudanças de ciclos:
anel de aço cirúrgico
como símbolo de nova vida;
agenda de couro estilizada
onde novos encontros são marcados;
prancha sintética ergométrica
para surfar em desconhecidas ondas.

terça-feira, dezembro 10, 2013

NOTAS DE LEITURA EM REVISTA DE BORDO 20


1. A verdadeira culinária afetiva brasileira está no interior, nos grotões do país. Quem viaja pelos grandes centros, como eu, tem apenas uma ligeira noção dessa gastronomia, nos bons restaurantes metropolitanos, às vezes temáticos, geralmente muito caros. Ou nos livros de receita.

2. Eduardo Coutinho, documentarista, ganha restrospectiva em livro. Não mereceria um bom documentário, também?

3. Jota Quest, uma banda (boa) de músicos brancos (quem é branco neste brasil?) de classe média, lança disco black. Som de periferia. O mundo negro se infiltra nas artes, principalmente. Infelizmente não acaba com o racismo.

4. Arte de vanguarda ou retrospectiva? Seja qual for nossa preferência em algum museu de arte ou espaço de exposição no Brasil, a encontramos. É só seguir a faixa amarela na calçada de nossas vidas.

5. Enquanto se voa se aprende e se medita (opcionais as duas coisas, claro). Mas a comidinha aérea continua triste.

6. Um surfista brasileiro salvou outro surfista (uma surfista) de morte certa e ainda pegou a onda recorde, mais de trinta metros, em Nazaré, Portugal. Alguns brasileiros vão além dos limites. E eu nem sabia que tem onda tão grande em Portugal. Ou são os pátrícios fazendo onda?

7. Stanley Kubrick em exposição no Museu de Imagem e do Som, no rio de Janeiro. Vale a pena. 

8. Não dá mais para saber como cidades grandes, como Belo Horizonte, modificam suas paisagens. Aquele andar aleatório antes possível, que fazíamos a qualquer hora do dia ou da noite, não existe mais. Aos dias, trânsito maluco, à noites, perigo de violência. Ser poeta dos deslocamentos urbanos hoje em dia está difícil.

9. Minha bicicleta fez quarenta anos. Para comemorar fui de bike de Londres a Paris, não com ela, com a outra. Infidelidade devido ao transporte, mas a homenageada era ela. Breve nos blogues do ramo.

10. O mar e uma jangada. Sempre hipnotizam.

11. O silêncio de São Paulo em fins de semana é perturbador e confortador ao mesmo tempo.

12. Certa vez assisti Daniela Mercury em teatro em Paris. Não me encantou. Anos depois a assisti de novo em São Paulo, no Ano Novo da Paulista. Boa, mas continuou não me encantando. Agora dá lições de coragem para o Brasil, não por causa da música, por causa de um relacionamento. Agora sim,, me encantou.

13. O vento que venta aqui, qualquer dia venta lá onde o sol te acalenta. Siga o vento e surpreenda-se.

sexta-feira, novembro 29, 2013

CURTA 223


Desci e subi escadas
de minha hipnótica imaginação.
Escolhi imagens da vida
para guardar bem fundo
outras para espalhar pelo mundo.
As portas se abriram
e o mundo esperava por mim.

CURTA 222


Entrei trôpego no fundo do mar
saí sóbrio mais que molhado ao acordar.
Na dança dos golfinhos sonhei
nos sonhos abissais solicitei
à vida, em ciclos, que viva
sua morte que os ocasos ativa.


CURTA 221


Ella tinha seus olhos vendados
como eu também os meus tinha.
Os olhos não viam
mas narizes e mãos se usavam
as bocas apenas se falavam
e os corações sentiam.
Horas depois a reconheci
entre tantas mulheres.

CURTA 220


Dou-te como presente
um pensamento simples:
o tempo não existe.
Apenas seus silêncios genéricos
e um pequeno ruído
da areia descendo a ampulheta
ou do pingar das clepsidras.

quinta-feira, novembro 14, 2013

NOTAS DE LEITURA EM REVISTA DE BORDO 19


1. Vocação não existe. O cara cresceu na cozinha do restaurante do pai, junto com a mãe, e hoje é chefe de cozinha renomado. Vocação? Carreira bem administrada desde o começo. Paixão sempre vem com o tempo e com a experiência adquirida.

2. Nova Lima - MG tornou-se a capital nacional da cerveja artesanal. Pelo menos uma dúzia de boas marcas. Ô terrinha boa!

3. Escrever está se tornando obsessão para mim. Escrever durante os voos não foi o começo, apenas realçou um desejo escondido. Hoje passo horas do meu dia escrevendo. Que coisa de gente chata, meu! (O "meu" é porque estou indo para São Paulo).

4. A moda é um exemplo interessante, e talvez óbvio, de apropriação das culturas inovadoras dos movimentos sociais. Suas fontes foram muitas, entre elas o movimento hippie dos anos 1960, o movimento punck desde os anos 1970, etc. Os estilistas tem nas ruas seus melhores observatórios. Em breve veremos o movimento dos black-blocs nas passarelas.

5. Amílcar de Castro em duas esposições superpostas: em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro. Gente boa é assim, tem obras para vários palcos.

6. Quem nunca jogou totó (ou pebolim) não sabe o que é emoção esportiva.

7. O crachá pendurado no bolso revelava seu prenome: ELIS. Perguntei-lhe se nasceu antes ou depois de treze de janeiro de 1982 (dia da morte de Elis Regina). Ela respondeu: - nasci um dia antes, em doze de janeiro de 1982. Seus pais devem ter sorrido muito no dia doze e chorado muito no dia treze.

8. Em uma Virada Cultural recente hospedei-me em hotel no Largo do Arouche (SP) para acompanhar de perto o dia de culturas múltiplas. Justo no Arouche estava o palco dos cantores românticos populares. Benito de Paula, Jane e Herondy e outros. Quem mais me impressionou foi Odair José. As músicas do cara tocam o fundo escondido e jamais declarado do coração humano.

9. Tem paixões que a gente curte a vida inteira e a mantem encoberta pelas necessidades cotidianas. Até que um dia, sem mais nem menos, elas afloram. Foi assim com os chapéus, agora chegou a vez das jaquetas. 

10. Alex, o cozinheiro punck, nos revela o óbvio. A inovação na gastronomia, na música, na literatura, e em qualquer arte, tem relação direta com as rebeldias, com as contradições, com as irreverências. No entanto, o principal, em qualquer dessas disciplinas, não é o rebelde ou a rebeldia, com ou sem causa. O principal é a própria arte, que une os lugares distantes, onde há pessoas.

segunda-feira, novembro 11, 2013

CURTA 219


A palavra, às vezes, é desnecessária
entre pessoas de ideias comuns.
A palavra, às vezes, é inútil
entre pessoas com ideias diferentes.
Vivo silêncios assim:
interessantes com uns,
desconfortáveis com outros.
Em silêncio evito aspas.

CURTA 218


O passado, tão incerto,
(cada vez que lembro
recordo diferente)
como pode ter me trazido
aos dias de hoje?
Como pode ter gente
em destino tão crente?

CURTA 217


A moça do banco da frente
eleva os cabelos, enrodilha-os
e mostra o ...
Uau! Que pescoço!
Merece uma mordida.
Nhack! Fez o tapa que levei
parodiando o Rei.

quinta-feira, outubro 31, 2013

CURTA 216


Quer falar comigo?
Um minuto de silêncio!
Tempo de ler seus pensamentos,
imaginar mundo sem ruídos,
escutar canto de pássaros,
telepatizar nossos assuntos.
Para início de conversa.

domingo, outubro 13, 2013

Desnumerado


Nem todos são Drumond,

nem todos tem leitores, 
nem todos escrevem para um público,
no entanto, quem escreve merece respeito.

sábado, outubro 12, 2013

CURTA 215


Impodere-te, desdobre-te.
empodere-te de teus acasos,
dobre-te naquelas curvas 
de maceônicas estradas,
iluminte-te com leves inquietações.
Cuide-me em teus poderes
como cenário de teus olhares.

OBJETOS 51


Objetos para desdobramentos imponderáveis:
lunetas astronômicas para mirar Vênus,
iluminado planeta de nossos entardeceres;
mapas para observação da Lua
e seus mares serenos desaguados;
poemas escritos em sinais de fumaça
registros de instante fugaz na eternidade.

segunda-feira, outubro 07, 2013

CLARAVENTO 2



Algumas músicas devem ser apreciadas

Em noites de tempestade:

Dançá-las requer sintonia com os uivos de vento.

Alguns livros devem ser lidos

Ao claro sol de inverno:

Aquecem a alma mais que o dia.

Alguns vinhos só podem ser bebidos

Em boa companhia:

Bebe-se simultaneamente

O vinho e a companhia.

Alguns filmes precisam de solidão

Para serem entendidos:

Uma solidão a dois às vezes é permitida.

Algumas conversas precisam de público

Para serem espalhadas:

De cabeça em cabeça falas se entornam.

Algumas palavras que digo

Precisam que bons ouvidos as escutem

E lhas deem um significado

Por poucos entendido.


quarta-feira, outubro 02, 2013

CLARAVENTO 1



No início são gotas claras
que o vento leva e traz.
Quando elas se juntam 
formam caudalosos rios
que o vento apenas balança
formando vagas.
Sobre as vagas, no entanto,
viajamos até onde
a imaginação nos levar.

A IARA E O CABOCLO


Olhos fascinados
Pela sereia saindo das águas.
Iara morena em banho de cachoeira
Límpidas águas calcárias
Límpidos olhares amendoados
Como castanhas andaluzas.
Cabelos em anéis opaciados
Pela etérea fumaça de uma fogueira.
Chocalho nas mãos
Entoando cantos aos seres da floresta.
Duendes ? Deuses ? Ânimas ?
Espíritos das matas ? Sacis ?
Vozes de animais
Corais onomatopeicos
Cães, micos-estrela, gralhas,
Formigas, cigarras, cupins.
Barulho de rio
Meu coração que palpita
Cometa, estrela cadente
Estrela fixa ou errante
Planetas, meteoros e meteoritos.
Fascínio pela Iara morena
Nas águas calcárias
E nas pedras ensolaradas
Acompanhando o curso do rio.
Iara morena jogou feitiço
E caboclo mergulha direto
No profundo escuro do rio.


DIAPOSITIVOS

  
O beija-flor azul
bebe a gota de chuva do arco-íris.
A manhã clareia,
um cavalo branco sobre a grama molhada.
Beija-flor azul,
manhã,
cavalo branco,
gota de chuva,
arco-íris.
Imagens de um despertar ?
Fotografias abandonadas sobre a mesa
antes de dormir.
Fotogramas, diapositivos superpostos
em minha mente dispersiva.

OBJETOS, QUASE.


Objetos plenos de nada,
Somatório de buracos, rede.
Nada, mais quase nada
é igual a objeto.

Xícara de chá, lápis,
copo de plástico,
livro de poesias,
garrafa de cerveja
cheia ou vazia
dá no mesmo:
tudo embriaga.

terça-feira, agosto 20, 2013

OBJETOS 50


Objetos para pesquisa em tecnologias emocionais:
espectrômetros para medir a massa dos sonhos;
microscópios que visualizem pensamentos profundos;
geradores para um choque de realidade no quotidiano;
geoprocessadores para direcionamento de pessoas
à procura de um norte objetivo na vida.

quinta-feira, agosto 15, 2013

NOTAS DE LEITURA EM REVISTA DE BORDO 18



1. E o surf também tem um museu para contar sua história e glória. Em Búzios. E surfar é melhor que navegar.

2. Aqueles que conheci nos festivais de música dos anos sessenta chegaram aos setenta: Edu, Milton, Chico, Tom Zé, Caetano, Gil, Sérgio Ricardo e outros. É o tempo, deixa muitos rastros, mas passa levantando tudo no caminho.

3. Falta um Kebab em Belo Horizonte. O melhor dos fast foods de todo o mundo. Quando viajo e a grana é curta, o Kebab é meu ponto de refeição favorito.

4. Um chocolate setenta por cento cacau, amargo, derretendo na boca levemente, não tem preço.

5. Segundo estilistas, dobrar as mangas da camisa deixando os pulsos à mostra confere elegância. Sempre fiz isso por conforto. Elegância: conceito bem variável.

6. Antiga marca de cachaça investe pesado na publicidade em revistas. Também nas telas com John Travolta como garoto propaganda. Pena que a marca de cachaça não é lá grandes coisas.

7. O "jogo da amarelinha" faz cinquenta anos. Creio que tem uns quarenta anos que jogo com Cortázar. Mais tarde o conheci em Paris e ele me ajudou a aprender espanhol e francês simultaneamente. Mesmo morando há décadas na França ele continuava escrevendo em espanhol.

8. Herbie Hancock no Brasil em agosto: Paraty, Rio de Janeiro e São Paulo. Belo Horizonte de fora, evidentemente.

9. Gabriela Leite criou uma grife para prostitutas e ganhou uma disputa jurídica para manter o nome da mesma: DASPU. Claro que a outra, famosa também por se envolver em falcatruas comerciais, não gostou.

10. Hora de comprar um bom toca discos de vinil. O vinil voltou. E caro. Mas poderei ouvir meu LP dos Tincoãs (quem tem um levanta a mão) com qualidade técnica.

quinta-feira, julho 18, 2013

NOTAS DE LEITURA EM REVISTA DE BORDO 17


1. Eta Marieta! Regularidade, tempestade! Quem tem Marieta não precisa de Cathérine Deneuve!


2. N'Ella tudo é bom, mas atenção: precisa ser um bom degustador, senão não funciona. N'Ella tudo é possível, desde delicadezas ambrozianas até temperos fortes. Esteja preparado para as novidades!


3. Negras, vermelhas ou louras fortes. Boa pedida para o inverno. Ou seja, cerveja!


4. Os tabus da África são os fantasmas brancos assombrando nas plantações das planícies. Os tabus não são materiais, são espirituais. 


5. As imagens de um não fotógrafo em exposição no Rio de Janeiro refletem a importância da fotografia como linguagem e arte mais que produção e profissão. Veja Laguirre.


6. O mestre das Curvas se aventurou também nas Ciências. As Curvas das Ciências mostram brinquedos gigantes para explicar noções de engenharia e matemática. Que pena que as escolas (e muitos pedagogos) atrapalham a continuidade da busca de conhecimento pelas crianças.


7. Condição e vontade nem sempre andam juntos. Quando se cruzam nos caminhos boas transformações podem ocorrer.


8. Simplicidade e versatilidade: este é um ideal de terceira-idade (da minha pelo menos). Sou idoso criminoso (bebo uma dose e dirijo a mais de 60 km/h, limites dos radares urbanos) e busco absorver as duas características com afinco.


9. Com boina preta vou a Palmas. Às Palmas. Lugares onde o sol provoca traumatismo craniano e derrete o botox dos cérebros de algumas pessoas, onde a mandioca (ou aipim, se preferirem) é a mais saborosa do Brasil. Ah, e tem a tapioca com rúcula e carne de sol da barraca da Léa. "É caro mas é muito bom". Eta Marieta. Se apareceres lá, te baterei palmas até dar calos nas mãos. E protejam o Jalapão.


10. Escambo o escambau. troca justa. Mas não troco por nada no mundo meu disco de vinil dos Tincoãs. Quem tem um disco de vinil dos Tincoãs? Nunca conheci quem tivesse um. Faz-me sentir uma pessoa rara.


11. Tempestade tropical dá prêmios a quem sabe se equilibrar. Surfar é melhor que navegar.


12. A moda está na moda, de novo. A mesma que veste desnuda para exibir a ausência do traje. Está na moda a roupa invisível do rei.


sexta-feira, julho 05, 2013

CURTA 214


Cinquenta quilos nos meus braços
peso pluma hoje se parece.
Cinquenta anos na curva do tempo
era ele quem nos ombros me colocava
cinquenta quilômetros necessário fosse.

domingo, junho 30, 2013

CURTA 213


Tictac do relógio
barulho da geladeira
ranger de portas
latidos de cães
torneira pingando
zoeira de motos.
Que noite mal dormida!

segunda-feira, junho 24, 2013

CURTA 212


Pássaros em manhã de sol.
cantoria em meu quintal:
cambaxirra, sabiá, bem-te-vi,
joão-de-barro e saíra-sete-cores.
Poderia cada um piar a seu tempo?
Quero escutá-los. E distingui-los.

domingo, maio 26, 2013

CURTA 211


A noite na farra de novo.
Eu e meu pai
no LEITO 525. 
Um inferninho.
As mulheres de lá, indecoradas,
vestem-se de branco. Ou de verde.

OBJETOS 49


Objetos para o entendimento das coisas:
cartas de intenções bem escritas
para registro de desejos a realizar;
paquímetros medidores de distanciamentos
entre o ser, seus desejos e seus objetos;
átomos e suas múltiplas configurações
informando o mundo de todas as coisas.

quarta-feira, maio 22, 2013

CURTA 210


Entre um voo e outro
meus cabelos agrisalharam-se
(vi no espelho do aeroporto).
Tempo é uma ilusão manipuladora.
Que eu tenha a paciência
dos bem vividos!

sábado, maio 11, 2013

CURTA 209


Para vencer a jornada
andar o primeiro passo;
para uma alegria insana
abrir o primeiro sorriso;
para um grande amor
oscular o primeiro beijo;
para uma boa aventura
encarar o primeiro desafio;
para a continuidade da vida
tem sempre o segundo movimento
logo após o primeiro assegurado.

domingo, maio 05, 2013

CURTA 208


O tempo é uma ilusão, 
agora o sei.
Interessante é aquele ponto 
fora da curva das temporalidades.
Importante é o hoje,
um ponto qualquer na curva da vida.

CURTA 207


Estou sereno.
Meu pai morre aos poucos
e eu estou sereno.
Só posso ajudá-lo a viver ou a morrer
continuando sereno.

quinta-feira, maio 02, 2013

PROJETO 04


PROJETO PARA ENFRENTAR SITUAÇÕES DE MALAS PERDIDAS EM AEROPORTOS

SITUAÇÃO-PROBLEMA: Ter malas extraviadas durante voos nacionais e internacionais é uma situação comum para pessoas que muito viajam. A média de malas extraviadas por pessoa é pequena, mas a situação é suficientemente enervante e inesquecível. Como enfrentar a situação sem se estressar a ponto de agredir o funcionário responsável pelo preenchimento do boletim de ocorrência?

OBJETIVOS: o objetivo desse projeto é desenvolver algumas assertivas comportamentais que auxiliariam pessoas com malas perdidas em aeroportos a não arrancarem a jugular do supervisor de serviços das companhias aéreas, porque malas continuarão a se extraviarem em aeroportos.

PROCEDIMENTOS: através da observação (às vezes participativa) de pessoas nos guichês de reclamações por malas perdidas em aeroportos pelo mundo afora, verifica-se variadas reações de viajantes: um chega espumando nos cantos da boca, arrastando os pés e loucos avançar no pobre do camarada do guichê de reclamações, em geral o cara com o menor cargo na hierarquia da companhia; outro chega calmamente e se enerva quando descobre que não tem solução imediata para encontrar sua mala perdida; outro exige a presença do presidente da companhia aérea, porque o funcionário "não sabe com quem está falando".

RESULTADOS: atitudes interessantes para não ter um surto psicótico ao descobrir que sua mala não veio para a esteira:
- se a mala não veio, ela pode ter ficado num canto do aeroporto de origem e virá ao destino em voo posterior, ou foi encaminhada por engano para outra cidade e, nesse caso, demorará um pouco a chegar. 
- esperando a mala na esteira e ela demora a passar, comece a pensar: ela vem ou não? Respire fundo.
- constatado que a mala não veio vá primeiro ao banheiro e lave o rosto com água fria.
- caminhe calmamente ao guichê de malas perdidas, olhe fixamente o funcionário e peça para preencher o boletim de ocorrência.
- na próxima viagem coloque na mala apenas objetos que, se os perder, poderá substituí-los facilmente.
- tenha sempre em mãos seu endereço dos próximos dias e telefones de pessoas que podem ser contactadas.
- leve na bagagem de mão os objetos imperdíveis mais uma muda de roupas íntimas e uma camisa.
- procure não ficar desolado. Você está em um aeroporto, não em um hospital, nem em um velório.
- sua mala perdida vai aparecer. Um dia.

domingo, abril 21, 2013

OBJETOS 48


Objetos para noite de cuidados:
sofá bem confortável
daqueles com encosto para pés;
livro de profecias e promessas
das curas de todos os amanhãs;
copo de café ensolarado
para fim ao negro brilho da noite.

CURTA 206


Noite de farra,
eu e o amigo pai.
Ele em seu leito de recuperação,
eu na cadeira de vigilante.
Fui promovido a quasi-general.

CURTA 205


Cheguei à idade do desapego.
Do emprego perdi o apego,
aposentei-me dele.
Do amor filial perdi o apego,
aposentei-me deles.
Depois da dobra da curva
chorarei dois velhos amigos
ocupantes das vagas paternais.

sábado, abril 20, 2013

CURTA 204


O verbo amar
é completamente irregular.
O verbo apaixonar
é uma onda senoidal
de grandes amplitudes
que se desnuda no mar.

CURTA 203


A semana agitada de vitórias
voam aos horizontes,
termina sei lá como.
Sei sim.
Só no fim de semana.

sábado, abril 06, 2013

SABEDORIAS CINEMATOGRÁFICAS 01



"Você é um louco quando um grande número de pessoas dizem que você está louco" - Francis Ford Coppola , na voz de um personagem em "O Selvagem da Motocicleta", um filme bem antigo ao qual assisti de novo recentemente no Cine Humberto Mauro. 

sexta-feira, abril 05, 2013

CURTA 202


Sentir as verdades
de todas emoções,
conhecer as mentiras
de todas ilusões.
Deveria ser lições de cartilhas
de sobrevivência urbana.

quinta-feira, março 21, 2013

PROPÓSITO DOS OBJETOS 01



Isaac Newton criou
o buraco da agulha
da máquina de costura.
Quem diria?
O gênio da gravitação
deu vida e propósito 
a um objeto singular:
a agulha da máquina de costura.
Revolucionário objeto
da era industrial inglesa.
A ele dedico esta série.

JOVEM DEMAIS


Ser enigmático não combina comigo
mas preciso de chaves
dessas grandes de portas de galpões
úteis para libertar de prisões
as almas apaixonadas
de robôs temporários
e engrenagens habilidosas
escrevendo cartas imaginárias
a pessoas comuns.
Sou jovem demais
para entender certas coisas.

terça-feira, março 19, 2013

PROJETO 03


PROJETO PARA DESARMAR LUÍSAS

PROBLEMA: luísas são mulheres poetisas sensíveis, com tendências a desarranjos emocionais que a tiram do eixo e as transformam em bombas-relógio prontas a atirar poemas épicos, quando próximas de fossas abissais.

OBJETIVOS: transformar as luísas em bonecas de madeira, coloridas, do Vale do Jequitinhonha, a mirar o mundo de suas janelas.

PROCEDIMENTOS: propor às luísas que escrevam poesias até se transformarem em lustrosas madeiras de lei, encaminhá-las aos mestres artesãos do Vale do Jequitinhonha. Esses mestres, encantados com suas belezas e com as belezas de suas poesias, as transformariam em bonecas para as janelas de pessoas amorosas e sensíveis.

RESULTADOS ESPERADOS: as bonecas luísas, enamoradas pela paisagem de ímpar beleza do Vale, e enamoradas das pessoas amorosas e sensíveis que as guardariam em suas janelas, se destilariam em poesias, aumentando o brilho de seus olhos e o encanto de suas palavras.

segunda-feira, março 11, 2013

CURTA 201


O silêncio em quatro estágios:
um - ferramenta de aprendizagem;
dois - estratégia de sobrevivência;
três - arma de indignação e revolta.
quatro - escuta como profissão.
Diferentes são os olhares
que os acompanham.

domingo, março 10, 2013

CURTA 200


O Tempo não passa:
eu é que passo pelo Tempo
e não o percebo.
Sentir o Tempo escoar em mim
é um objetivo?

sexta-feira, março 08, 2013

MULHERES: HOMENAGEÁ-LAS É PRECISO


Homenagear as mulheres deve ser uma atitude cotidiana. Elas são nossas parceiras e sócias neste empreendimento chamado VIDA. Eu não vivo e não viveria sem, para compreender isso basta ver minhas fotos, minhas interlocutoras, as poesias que publico. Eu homenageio as mulheres todos os dias, ao declarar amor àquela que divide comigo uma parte enorme de meus dias; ao sorrir para aquelas amigas que só vejo de vez em quando (às vezes nem vejo mas estão presentes de alguma forma); ao declarar amor às minhas filhas, inclusive àquelas que procuraram em mim um pai ocasional, e foram muitas; ao pegar minha neta no colo e receber dela aquele sorriso mais bonito do mundo. Eu as homenageio, sempre, porque elas dignificam minha vida. 

Republico aqui a primeira poesia publicada nesse espaço, anos atrás: COMO BEBER UMA MULHER.


Seis lustros? Cinco décadas?
Não adianta maquiar realidade com números
Cinqüenta anos ficaram atrás
Quer comemorar comigo? Então...
Abra uma garrafa
De bom bourgogne
Ou um velho bourdeaux.
Não importa sua preferência
Os bons vinhos têm suas próprias idéias.
Alguns ficam melhor com o girar dos tempos
(quero acreditar que sou como eles)
Outros, degusta-se quando jovens.
Mais maduros
Ou ainda tenros
Bons vinhos são como as boas mulheres
Têm sabor
Têm perfume
Têm personalidade
Têm inteligência
Têm cor
(tintos, rosés ou brancos)
Exigem uma preparação!
Não se bebe um bom vinho
Nem se ama uma mulher
Sem aquele tempo de antecipação
do prazer anunciado
Sem a previsão do prazer nos antecedentes da degustação.
Bem disse o mestre Ziraldo,
Para o homem maduro
Grandes mulheres não têm idade:
São como os bons vinhos.
Só é preciso saber amá-los
E bebê-las. Sim, bebê-las!
Não se come as mulheres
Como sugerem os machões.
Bom mesmo é bebê-las
Suavemente
Sentindo todos os seus sabores
Nas papilas gustativas
Com a língua
Com as mãos
Com o corpo todo
Derramando vinho sobre elas
E bebendo ambos:
Mulher e vinho
Ao mesmo tempo.

sexta-feira, março 01, 2013

CURTA 199


Águas de março,
umidade de março,
temperaturas de março,
demandas de março.
Luzes de abril e maio retornam breve,
minhas fotogênicas imagens também.

segunda-feira, fevereiro 11, 2013

CURTA 198


Que a vida se revigore
que a mágoa se evapore
que o humor melhore
que o sorriso aflore
que o rosto core
que a felicidade nela more
que o adeus não seja a priori.

domingo, fevereiro 10, 2013

PAPOS PSICÓTICOS


Conversa em sala de espera de consultório psiquiátrico:
- que transtorno você tem?
- transtorno bipolar, e você?
- Ah, eu tenho síndrome de Aspergen.
Aquele ali tem deficit de atenção.
Aquele outro é maluco mesmo.
Esse aqui o tico e o teco não se entendem.
O de camisa amarela surtou
e ficou pinel de todo.
Santa Loucura! 
Protegei a diversidade neurológica!

OBJETOS 47


Objetos para desvendar identidades:
cordas de amarrar memórias
insistentes em voos longos;
pás para cavaduras de covas
onde enterrar cordões umbilicais;
chapéus de feltro cinquenta e nove
para proteger cérebros avantajados.

CURTA 197


Em companhia de morcegos
inquietações ecoam paroxítonas.
Trago a poetiza para a minha cama,
o primeiro orgasmo se aproxima
tão logo ela verseja a terceira rima.
Quando a musa longe mensageia
a nota breve de meus olhos
serenamente ondula e serpenteia.

segunda-feira, fevereiro 04, 2013

CURTA 196


Minha imaginação se movimenta
com singularidades:
pios de pássaros com ninhos
em vasos de orquídeas;
sociedade de morcegos em festa
com jambos em meu telhado;
arquiteturas de marimbondos
nas janelas da sala;
cortinas de teias aracnídeas
nas portas dos jardins.
Singularidades, simples singularidades.

terça-feira, janeiro 22, 2013

CURTA 195


Como não querer aquela mulher
que costura a rede de meus pensamentos
em trama fina e linha forte?
Como não armazenar aquele sorriso
que acende minha alma escancarada
em chamas inquietas e solfejadas?
Levo meus pensamentos indiscretos para a cama:
Ella é um ponto geográfico
no mapa de meus destinos.

domingo, janeiro 20, 2013

CURTA 194


Certos olhares escancaram janelas
para a luz alumiar certas almas.
Certas almas espalham luz
para fazer sorrir certos olhos.
É uma sina, uma missão no mundo?

quarta-feira, janeiro 09, 2013

CURTA 193


Sinos.
Doze badaladas de meio dia,
na praça desperta-se de marasmo, escaldante.
Sinos.
Doze badaladas de meia noite,
na cama escuta-se algum fantasma, periclitante.
Sinos.

sexta-feira, janeiro 04, 2013

NOTAS DE LEITURA EM REVISTA DE BORDO 16


1. Assistir filmes é bom. Viajar é melhor ainda. Viajar é viver o que poderia ser uma cena, e os lugares podem ser cenários maravilhosos! Um bom lugar para ir é aquele que nos desperta os sentidos e nos proporciona sensações inesquecíveis.

2. Elitizar as artes plásticas, segundo Guto Lacaz, é distanciar o público. As artes plásticas são as mais democráticas das artes: as galerias são gratuitas; pelo menos um dia na semana os museus estão abertos ao público.

3. A peixaria é o local mais misterioso de feiras e mercados. mas não deixe seu peixe ir por água abaixo. Tire suas dúvidas com o peixeiro, deixe a frescura em casa e meta a mão no peixe para verificar se está fresco.

4. O primeiro Rolls-Royce fabricado na Inglaterra, o Silver Ghost, rodou vinte e sete mil quilômetros sem nenhum incidente, em 1907. Já nasceu com a qualidade característica da marca.

5. Entender o movimento do pêndulo, simples ou composto, é fundamental para compreender o mundo e seus humores políticos e econômicos, principalmente. Lamento pelos noventa e cinco porcento dos cidadãos que não se interessam pela Física. Deveriam.

6. Se deixar sua vida virar uma novela, certamente você perderá público, leitores, interlocutores e amigos. Novelas, só na televisão e, assim mesmo, para alguns.

7. Bom humor, educação e serenidade são requisitos para se viver o aqui e agora, como se não houvesse amanhã.

8. Michael Jackson virou estátua no Morro de Santa Marta, Rio de Janeiro, e é objeto de visitação no museu do morro.

9. A rua é o grande agente inspirador e direcionador de todas as artes: artistas plásticos pintam e esculpem as ruas; atores e estilistas imitam as personagens das ruas; poetas vão às ruas em busca da palavra que emociona. Enfim, a rua é o grande teatro da vida.