sábado, dezembro 21, 2013

CURTA 225


No rio nada dura,
nem paz de canoeiro.
O avolumado das águas
tudo leva:
canoa, canoeiro e paz.
O remanso da margem
turbinado redemoinho vira.

Postar um comentário