sábado, dezembro 21, 2013

RELEITURAS ROSEANAS 16


Sou "homem de família,
merecedor de silêncio..."
É em silêncio que se aprecia
as belezas dos sons
e a clareza das notas.
Em bocas fechadas,
certezas de convencimentos.
Em silêncio nos conhecemos,
desnecessidade de espelhos,
nos diplomamos na vida
para conduzir em travessias,
seja de rios caudalosos,
seja de veredas lacrimejantes.
Em silêncio farejamos mundos
e suas aleatórias armadilhas,
desfazemos nós de garganta,
secamos lágrimas escorrentes,
soltamos o primeiro sorriso,
até que ele se abre, escaldante,
naquele riso, agora sim,
em altos sustenidos.
Postar um comentário