sábado, junho 13, 2015

HOJE


Cada poeta que morre é apenas uma luz que se apaga: a poesia fica. Eternamente.
Valeu, Fernando Brant. Sua vida não foi pequena, valeu a pena.

Postar um comentário