quarta-feira, março 09, 2016

CURTA 262


O vento, soprano, na janela.
Ela, contralto, toda bela
no alto de seu salto.
Eu, baixo, grave voz
minha voz gravo
fingindo ser tenor
para encantar o vento, e ela.


Postar um comentário