terça-feira, março 14, 2017

NASCENTES



Águas das veredas urbanas
Afogam-nos em subterrâneos
Sejam Onça ou Arrudas:
Animal ou planta muda
De espantar gente mundana
E maus espíritos contemporâneos.

“Deixe o Onça beber água limpa”,
Plante Arruda na rua e na calçada.
Água suja ou água limpa
Saem bem na foto ou na fita,
Indistinguíveis pelo som da cascata,
Diferentes na clareza da vida.

Em caso de desorientação
Procure a estação
Seja inverno ou verão.
Para São Gabriel ou bifurcação
O amor é infalível se bem amarrado,
Aposte e espere o resultado.
Quizomba ou água benta
Yemanjá sempre nos alimenta.

Água de tubulação
Corre solta na estrada
Escorre pelo ralo da calçada
Alivia o poço da construção
Deixa o fluxo da circulação
Registra o som da observação.

Nesta lagoa eu não nado
Sapo não molha o pé,
Não molha o pé porque não quer?
Mas o vento que lá lamenta
Sob um sol que arrebenta
Gira a coroa da escultura
Levanta o escritor da sepultura.

Onde tem nascente
Se aproxima toda gente.
“Cinema é cachoeira”
Mas eu não filmo cachoeira
Filmo metáforas e vento quente.
Meus elefantes carrego nas costas
Na sala só minhas marmotas.

Mas a chuva, temos que falar da chuva
Ela precisa cair neste sertão
Pois conecta sagrado e profano
Mesmo que depois entre pelo cano.
Yemanjá, mãe de santo, preto velho,
Meus ancestrais caboclos e caiporas,
Deuses de todos os matizes
Jorrem a chuva neste chão agora
Deixem todos seus filhos felizes.

E a água, minha gente,
Faz sua trilha como serpente
Até o mar desde a nascente
Carrega o sujo da cidade
Lava a alma da maldade
Sobe morro por capilaridade.
Feche, moço, essa torneira,
Mate sua sede costumeira
Deixe a água seguir corredeira.



Postar um comentário